sexta-feira, 29 de novembro de 2013

As Luzes de Setembro - Zafon



Foto da net porque estou sem câmera!!

Estou tão atrasada nas minhas postagens!!! Tudo culpa da minha máquina fotográfica que estragou e agora dependo do meu marido para as fotos dos livros!!!

Logo que terminei Merlin já comecei Luzes de Setembro, último livro do Zafon publicado em português e único que eu ainda não tinha lido. Posso dizer que desses “livros menores” que engloba Marina, O Príncipe da Névoa e O Palácio da Meia Noite, Luzes de Setembro só fica atrás de Marina.

A história desta fez se passa na França na década de 1930. Irene é uma jovem garota parisiense que, após a morte do pai, passa por dificuldades financeiras junto com a mãe e o irmão – Simone e Dorian –, já que toda a fortuna da família acaba sendo usada para quitar suas muitas dívidas.

Depois de um ano de muito sofrimento em Paris, a família se muda para pequena cidade de Baia Azul, na Normandia, onde a mãe conseguiu um emprego como governanta na mansão de Janus, um excêntrico engenheiro e criador de maravilhas automáticas que vive em um imenso casarão com Alexandra, sua esposa acamada e que ninguém vê há vinte anos, e com Hannah, a jovem cozinheira.

Irene e Hannah têm a mesma idade, e logo se tornam amigas e, através dela, Irene conhece Ismael e, claro, os dois logo se apaixonam. Tudo vai bem até que em uma noite de tempestade, Hannah se levanta no meio da madrugada. Sem conseguir dormir novamente por causa do barulho das batidas de uma janela das centenas de quartos da mansão, Hannah se vê obrigada a enfrentar os escuros corredores habitados pelas centenas de invenções mecânicas de Janus até encontrar a fonte do barulho e, naquele quarto, ela acaba despertando o mal que se esconde na mansão, uma mal que estava adormecido há vinte anos.

A partir daí coisas horríveis começam a acontecer na pacata cidade, a após um assassinato brutal nos bosques que rodeiam a mansão de Janus, Irene e Ismael começam a investigar a ligação do crime com a mansão. Em clima de constante suspense e rodeada por aparições fantasmagóricas, Irene logo percebe que sua família, e principalmente sua mãe, é quem mais corre perigo.

Com a ajuda de Ismael, Irene vai fazer tudo que é possível para proteger sua mãe e irmão do mal que assombra a mansão e Janus, desde que ele era apenas uma criança.

Mais uma vez o autor usa os mesmos ingredientes para uma nova receita. Adolescentes apaixonados, um casarão assustador, eventos misteriosos e sobrenaturais, seres macabros, maldições passadas e a corrida contra o tempo para salvar aqueles a quem se ama e mais uma vez a receita dá certo!!

É uma leitura tão fácil e gostosa que dá para terminar “numa sentada”, e mesmo sendo claramente um livro para adolescentes, a história é muito boa e muito bem escrita. Seria bem legal se se tornasse um filme!!

Um livro fofo!!!

Agora é torcer para que Zafon dê continuidade à história do Daniel Sempere, como deu a entender no final de O Prisioneiro do Céu, para que a gente tenha mais das ótimas histórias desse escritor fantástico!!!

É isso!!

Beijos e ótimas leituras!!!
Fefa Rodrigues

PS: Ah, Feeee eu não esqueci do prometido, logo o seu estará aí com você!!!


A Onda

Já faz uns 452 que minha sobrinha eclética e intelectual insistia pra que eu visse esse filme alemão, ela até gravou o filme em um DVD pra mim, mas eu sempre deixava pra depois, até que o sol resolveu não aparecer nesse sábado e eu resolvi que iria ver esse filme enquanto a chuva caia lá fora, já que meus planos de piscina foram pro água abaixo!!!



E realmente o filme é muito bom. Apesar de tratar de um assunto tão pesado - a possibilidade do ressurgimento de um governo fascista – o filme não é cansativo.

O filme começa mostrando os típicos jovens alemães de hoje em dia. Festas, esportes, vídeos-game, drogas e bebidas, pouca ou nenhuma disciplina. Esse grupo de jovens faz parte da classe de ciências políticas que, durante a semana dedicada à importância da democracia, vão estudar os diferentes tipos de governo.

A classe destinada ao estudo da Autocracia é comandada pelo professor Rainer Wenger, com cara de rebelde e roqueiro, o professor desejava o curso de Anarquia, mas foi obrigado a ministrar o curso de Autocracia e, a primeira pergunta que ele faz aos alunos é se seria possível o nazismo renascer na Alemanha. A maioria dos alunos diz que isso seria impossível, então o professor resolve iniciar uma “experiência”.

Começando com um simples exercício sobre sentar-se de forma ereta, respirar antes de falar e falar pausadamente, em uma semana os alunos se transformam em um grupo com uniforme e saudação própria.

Não vou entrar em muitos detalhes, mesmo porque não tenho profundidade para fazer uma análise do filme, mas é muito interessante ver como, por exemplo, um dos alunos que é sempre hostilizado, ignorado pelos pais e sem amigos, se sente ao fazer parte da Onda e se torna um dos mais fervorosos seguidores do “movimento”.

Em pouco tempo, aqueles alunos estão se impondo aos demais, tratando de forma privilegiada aqueles que fazem parte da Onda e perseguindo aqueles que são contrários ao que está acontecendo.
Ao final, o professor Wenger discursa com a mesma “loucura” de Hitler, usando os mesmos “argumentos” e sendo aplaudido pelos alunos.

Um ótimo filme, especialmente para aqueles que, como eu, vivem se perguntando “como é que isso foi acontecer?”.

Bons filmes!!!
Bjos...
Fefa Rodrigues


Merlin - M.K. Hume

Estava eu no aeroporto, após fazer o check-in e despachar minhas bagagens, quando me sentei numa daquelas cadeirinhas não muito confortáveis para aguardar as duas horas que faltavam para o voo. Abri minha bolsa e quase tive uma arada cardíaca quando percebi que tinha esquecido meu livro.

Na mesma hora me veio à mente a minha própria imagem retirando as coisas da bolsa para conferir que estava tudo lá e a imagem do meu livro em cima da mesinha. Desesperada comecei a reclamar, o Davi, que estava super entretido com seu Candy Crush Saga, calmamente tirou o cartão de crédito do bolso e apontou em direção a livraria bem na nossa frente... e foi assim que eu adquiri Merlin, um livro que eu não conhecia de uma autora que eu nunca tinha ouvido falar.




O livro conta a história do mago mais famoso da história. Nesse primeiro livro da trilogia, a história começa com sua concepção. Sua mãe, a neta do rei dos deceangli, uma das muitas tribos que ocupavam o norte da Bretanha, é uma menina voluntariosa e mimada que é violentada por um estranho e lindo homem trazido até a praia depois de uma grande tempestade.

A menina odeia a criança desde o ventre e passa a chamá-lo de Semente do Demônio, jurando a todos que foi um demônio quem a estuprou. Para não manchar a “honra” da neta, o avô faz com que a história se espalhe. Merlin nasce apesar de todo esforço de sua mãe para que a criança morresse ao nascer e desde o início da sua vida ele demonstra seu carisma, inteligência e beleza... além disso, o garoto é aceito na cerimônia tanto pelo Deus Sol como pela Mãe, a deusa.

Apesar de ser um bastardo, sua avó Celwyn e seu bisavô adoram o menino que, por sua inteligência muita acima da média, cresce solitário e logo se torna aprendiz da curandeira local.

Nesse primeiro livro, a autora narra a infância e começo da adolescência de Merlin, e confesso que o é tudo meio “parado” demais. Minha opinião é de que faltou emoção e trama nesse início. A história só começa ficar mais emocionante quando Merlin, já adolescente, passa ao serviço do Alto Rei Vortigern, acompanhando o rei em sua batalhas contra o filho e contra o imperador Ambrósio.

É nessas batalhas que o jovem Merlin passa a ser reconhecido como mestre por sua enorme capacidade como curandeiro e sua inteligência que ajuda o rei com as máquinas de guerra tomadas dos inimigos e com as táticas de guerra que ele desenvolve.

Na realidade, ele só aceita trabalhar para o Rei Vortigern, que é seu inimigo porque o rei promete lhe contar quem é seu pai.

Enfim, como eu disse, falta muita coisa no livro e eu daria uma nota 6,5 para ele, mas pretendo comprar a seqüência, que ainda não tem em português, para dar mais uma chance para a autora que, por sinal, é mestra em história do período arturiano!!!

Agora, bora ler Luzes de Setembro... leitura conjunta com minha amiga-leitora, Kelly!!!

Beijos,
Fefa Rodrigues

P.S.: Vi que o Tolkien tem um livro sobre o Rei Artur que acabou de ser publicado em português, o título é A Queda de Artur, e será a minha próxima compra!!!



terça-feira, 12 de novembro de 2013