sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Um pouco de mim

Oi gente, ontem foi a festa do meu casamento, mas a cerimônia será hoje e depois eu já vou para o Hotel e viajo amanhã de manhã. Vou ficar 10 dias fora, e vou levar como companhia e leitura o livro 1356 do Cornwell!!!

Então, a gente se vê daqui alguns dias!!:o*







Beijos,
Fefa Rodrigues

sábado, 14 de setembro de 2013

Sobre alianças e outras coisas...

Hoje eu ganhei do Davi, meu namorado que se tornará meu marido daqui 15 dias, uma aliança linda, de ouro e com um brilhante incrustado. Então me pus a pensar sobre outra aliança, aquela que já existe em nosso coração há 13 anos e que independe de ouro no dedo ou assinatura em papel. 

É, faz todo esse tempo que estamos juntos, e já passamos por muitas coisas - boas e ruins -, nós conhecemos literalmente a alegria e a tristeza, a saúde e a doença, a pobreza e a riqueza. E nessa caminhada há um fato especial, algo que eu nunca vou esquecer.

Quando eu comecei a faculdade, meus pais estavam em uma situação difícil e só permaneci no curso porque ganhei uma bolsa. Acontece que, no primeiro dia de aula eu simplesmente não tinha nenhum tênis para colocar. 

O Davi, então um menino de 17 anos, e já meu namorado, pegou um tênis que a mãe dele tinha acabado de comprar, um All Star preto, e me deu. 

É possível que até hoje minha sogra se pergunte onde é que foi parar aquele par de tênis.

Já, eu tenho a certeza de que tenho ao meu lado alguém que sempre vai cuidar de mim, não importa a situação.

Então, Davi, saiba que eu acredito quando você diz que vai "caminhar comigo até a eternidade", porque você cuidou de mim quando eu não tinha nada para te oferecer em troca.

E como está escrito na aliança que agora está em nossos dedos "Para sempre"...



Beijos,
Fefa Rodrigues


quarta-feira, 11 de setembro de 2013

No cinema, em novembro!!

Minha queria amiga Kelly me mandou hoje essa imagem do filme A Menina que Roubava Livros, um livro que eu demorei pra caramba para ler, porque alguém tinha me dito que era ruim e eu estava cheia de preconceitos contra ele, mas depois que li descobri que é um das mais belas histórias já escritas.

Olha ai que imagem bonita:


Ainda dá tempo de ler antes da estréia no cinema, gente!!!

Beijos
Fefa Rodrigues


terça-feira, 10 de setembro de 2013

Lições e citações de O Inverno do Mundo

Eu gosto de marcar frases interessantes dos livros, e tomei esse costume depois que ganhei umas fitinhas transparentes e autocolantes de uma super amiga querida. Adorei a ideia porque, além de não estragar o livro com caneta marca texto, as fitinhas são uma graça e veio um montão no pacotinho.

Bem, devaneios à parte, vou postar algumas citações do livro o Inverno do Mundo do Kenn Follett. A resenha dele está logo abaixo se alguém que ainda não leu se interessar!!!

Essa primeira anotação me fez lembrar dos episódios de protestos a alguns meses atrás. Os protestos tinham sim legitimidade, mas é de se pensar a quem interessava a violência e a quem interessava as medidas que foram sugeridas a partir dos protestos, especialmente medidas que contrariam a nossa Constituição e nosso Estado Democrático de Direito.

A literatura é uma mestra, e a através da história nos ensina muito. O Inverno do Mundo é uma aula de política, e conhecer mais sobre política, em seu sentido original, é essencial para podermos discernir sobre o que está certo ou não, e para evitar sermos manipulados.

A história é uma repetição, por isso é uma fonte de aprendizagem indispensável.

"- Porque os fascistas querem violência? - indagou Ethel; era uma pergunta retórica. - Aqueles rapazes lá fora podem ser simples arruaceiros, mas alguém os está dirigindo e suas táticas têm um objetivo. Quando há briga nas ruas eles podem alegar que a ordem pública foi violada, e que é preciso tomar medidas drásticas para restabelecer a lei. Essas medidas de emergência incluem banir partidos democráticos como o nosso, proibir a ação dos sindicatos e prender pessoas sem julgamento, homens e mulheres como nós, cujo único crime é discordar do governo. Isso por acaso lhes parece uma fantasia improvável, algo que jamais poderia acontecer? Bem, foi exatamente a tática que eles usaram na Alemanha e funcionou".

Gostei especialmente desse pequeno trecho que me fez pensar em tantas pessoas que simplesmente preferem dizer que não gostam de política:

"- Você não era desse jeito, antigamente jamais discutiria política!
- Se você não se interessa, o que acontece é culpa sua"

Nessa próxima citação, Carla e seu pai acompanham um pastor protestante em busca de informações no que eles descobriram ser um centro para "eliminação de pessoas inúteis", ou seja, de pessoas com deficiências. O que me chamou a atenção foi que esse personagem agiu a forma que eu acredito ser a essência do cristianismo que é a luta por um mundo melhor, pelo "venha o Teu Reino".

"- O Senhor pode não responder, é claro - disse Ochs em voz mais baixa - Mas um dia uma autoridade superior vai lhe fazer a mesma pergunta. Na verdade, a maior autoridade de todas. - Ele esticou o braço e apontou um dedo acusador - E nesse dia meu filho você vai responder."

E, já no final do livro, um trecho que me abriu mais os olhos com relação a toda questão envolvendo o "motivo pelo qual a Alemanha aceitou o nazismo":

"Erik cantava com sinceridade a letra da música. Apoiava o regime soviético da mesma forma cega com que havia apoiado os nazistas. De início isso havia provocado em Carla incompreensão e fúria, mas ela agora via uma lógica triste no fervor do irmão. Erik era uma daquelas pessoas inadequadas cujo medo da vida era tão grande que preferia viver sob uma autoridade dura, ter um governo que lhes dissesse o que fazer e o que pensar, e que não permitisse nenhuma dissidência. Eram tolas e perigosas, mas havia muita gente assim."

Para mim essa mesma tolice está em toda forma de manifestação intolerante e fundamentalista, que não aceita e não respeita a diferença, como disse o autor, isso é um grande perigo, mas infelizmente, ainda há muita gente assim.

É isso ai, livros nos divertem, mas também nos fazem pensar, não é?!?

Beijos
Fefa Rodrigues


Próxima Leitura e que capa linda!!!

Acabei de decidir minha próxima leitura, será 1356 do Bernard Cornwell e tenho que dizer, que capa linda do livro, gente!!!



Ah, e vocês já viram que foi lançado mais um liro do Zafón, Luzes de Setembro??? Calro que eu já encomendei, na Submarino R$ 19,90!!!

É isso ai, beijinhos...
Fefa Rodrigues


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

A Chave de Rebecca - Kenn Follett

Esse é o primeiro livro de espionagem do Follett que eu leio. Não é uma história grandiosa como Os Pilares da Terra, Queda de Gigantes ou O Inverno do Mundo, mas vale a pena.



A história se passa no Cairo da II Guerra Mundial e começa com o espião Alex Wolf, um alemão que também possui nacionalidade egípcia, tentando entrar no Egito pelo deserto. Sua missão é descobrir segredos e informações sobre o exército britânico que ocupa o pais, que na época era uma de suas colonias, e passar ao general Rommel, comandante do exército nazista no deserto. 

Acontece que algumas coisas dão errado na chegada de Alex e ele não consegue passar desapercebido, e acaba chamando mais atenção do que pretendia. 

Esse incidente que a princípio parece insignificante desperta o interesse de Vandam, oficial britânico responsável pelo setor de inteligencia do exército britânico no Cairo. Vandam então resolve iniciar uma investigação, mesmo contrariando Bogges, seu superior. Apesar de inteligente e honesto, Vandam é desprezado por seu chefe que provém da nobreza inglesa, já que seu pai era um carteiro.

Enquanto Alex coloca em prática seus planos para alcançar os segredos do exército britânico e transmití-los a Rommel, Vandam está certo de que aquele homem é um espião nazista e é o responsável por passar informações sigilosas aos nazistas, que conseguem impor inúmeras derrotas ao exército britânico apesar de sua superioridade numérica e logística.

Quanto mais os nazistas se aproximam, mais Vandam se vê obrigado a capturar Wolf e evitar que os alemães tomem o Egito. Assim começa uma caçada ao espião, e para isso ele conta com Elene, uma  jovem judia-egípcia que se cansou de viver as custas de seus amantes e acaba recrutada por Vandam para ajudar na busca ao espião devido a sua beleza e inteligência.  

Acontece que Vandam e Elene se apaixonam em meios aos perigos que os dois enfrentam na busca pelo espião frio, calculista e cruel!!

Gostei da história. Como disse acima, não é uma obra-prima, mas é um livro para se ler de forma relaxada e rápida, já que os acontecimentos de desenrolam de forma vertiginosa a leitura flui super rápido. 

Mais um livro que daria um bom filme.

Outro ponto forte são os personagens, os três principais Vandam, Alex Wolf e Elene são "adoráveis"!!

Ah!! Anotei um trecho que se refere ao chefe de vandam e vou transcrever pois é uma realidade do meu dia-adia e imagino que de muitos de vocês também:

"Assim, devido a sua falta de confiança para tomar decisões de verdade, tentava parecer superior marcando pontos às custas dos outros, dando a si mesmo a ilusão de que era mesmo esperto." 

E então, conhecem alguém assim??? 

Dica de leitura gostosa e leve, ótima para relaxar!!

Beijos,
Fefa Rodrigues


sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Porque eu "tô" sumida?!?!?!

Me perguntaram ontem pelo face a razão pela qual eu sumida aqui do blog, então eu expliquei que eu vou casar dia 27 de setembro, daqui 22 dias, gente!! E apesar de ser uma cerimônia bem simples acompanhada apenas de um jantar para os padrinhos e amigos íntimos, dá um trabalho minha gente!!!

E, somando-se a todos os compromissos relativos ao casório - luzes, progressiva, depilação, chá de cozinha, chá de lingerie, unha, vestido para a cerimônia, vestido para o jantar, vestido para o civil, vestido da mãe, terno dopai, terno do noivo UFA! - tem os compromissos do trabalho. Acreditam que na semana do meu casamento terei que passar dois dias em São Paulo?

Mas, mesmo em meio a esse turbilhão, as leituras continuam é claro!!! E tem fotos também, e tem novos textos, mas eu vou deixar tudo para o pós-casório, porque dai eu estarei em férias também, e poderei aproveitar fazendo as coisas que eu gosto, dentre elas, postar no blog!!!

Ah, e olha que legal. Não sei se essa é a modinha em todo lugar, mas aqui em Tatuí o "chique" é tirar fotografias de casamento em lugares diferentes e que tenham alguma ligação com o gosto pessoal dos noivos. Pois bem, o Davi e eu vamos ter como cenário para nossas fotos a Biblioteca do Museu de nossa cidade!!! A fotógrafa até sugeriu que nos levemos nossos livros preferidos porque ela está "cheia de idéias"!!!

Então gente, eu sumida por que vô casa!! Mas logo eu volto, tá!!!

Beijinhos,
Fefa Rodrigues