quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

The Vampire Diaries

Essa série é minha nova mania!!!! Sei que estou super atrasada, afinal essa série já está bem avançada. Não, eu não li os livros, estou vendo só a série pra TV. Confesso que, quando via as propagandas das primeiras temporadas na Warnner nunca me interessei muito, achava aquela chamada "amor se escreve com sangue" muito dramática e achava a Helena tão sem sal que seria impossível, ao meu ver, dois homens como os irmãos Salvatore se apaixonarem por ela. 


Mas eis que num desses fins de semana chuvosos, comecei a procurar algo pra ver no Netflix e resolvi dar uma chance para a série, até porque eu estava numa onda vampiresca, e eu curti tanto a história - principalmente o Damon - que devorei a primeira temporada em uma semana, apesar da minha tão propagada falta de tempo, e já estou no 10º episódio da segunda temporada, e curtindo cada vez mais.

Para quem não conhece a história, tudo gira em torno do triângulo amoroso formado pelos irmãos Salvatore, dois vampiros que já dividiram o amor por uma mesma mulher, a vampira Katherine, num passado remoto, na pequena cidade de Mystic Falls. A relação entre os dois irmãos é problemática e após muitos anos distantes, os dois irmãos voltam para a pequena cidade. Stefan para se aproximar de Helena que é idêntica a Katherine, e Damon (ai meu coração!!), ainda obcecado por Katherine, para tentar resgatá-la de sua prisão centenária (tá, no comecinho ele não sabe que ela ainda tá viva, mas ele descobre isso logo). 

Estefan é bom. Damon é mal. Mas aquele mal que a gente ama, sabe? E ele é mal porque perdeu a mulher que amava, culpa o irmão por isso, e não consegue se livrar da obsessão por ela. A cidade, além de vampiros, também tem bruxas e lobisomens, além de uma sociedade secreta formada pelas famílias fundadoras, concluindo, é um lugar bem peculiar!!!

Mas a série é bem legal, os vampiros são vampiros de verdade, a Helena não é sem sal como eu imaginava, ela é bem legal... eu só não entendo como ela não se derrete toda para o Damon!! Poxa gente, diz ai, não dá para comparar não é? Aquele Damon é de matar, com aquele olhar... 

Deixa eu ver se consigo fazer vocês (meninas) me entenderem...





Fotos do Google

Acredito que grande parte do público feminino há de concordar comigo!!! Mas a questão é que, até agora, a Helena parece mesmo apaixonada pelo Estefan, apesar de que, em alguns momentos o olhar dela trai uma leve queda pelo Damon... quem já está mais adiantado na série deve saber se rolou alguma coisa entre eles... e eu torço pra isso acontecer!!! Afinal, o Damon merece um pouco de felicidade nessa vida eterna dele, né!!! Mas, enquanto isso não rola, ai estão os dois...


Bem, concluindo, é uma série bem legal pra quem gosta desse lance de vampiros, eu indico. Não vou comprar os livros, mas a serie eu vou assistir até o fim!!!

Tá ai uma dica pra quem ainda não viu!!!
Beijos,
Fefa Rodrigues

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Mais um Capítulo



Publiquei o Capítulo 9 do conto São os Loucos Anos 20.

Se quiser conhecer e acompanhar, é só clicar aqui

Beijos,
Fefa Rodrigues



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Sobre mudar o Mundo

Quando eu era criança e, na minha cama quentinha, a noite, pensava nas crianças que não tinham casa, eu sonhava acordada, pensando que, que quando crescesse, iria comprar uma casa bem grande e levar todas as crianças da rua para morar lá. 

Quando eu era adolescente, pensava em ir para a Africa e fazer trabalhos comunitários, ajudar as pessoas. Quando eu fiz faculdade de direito, sonhava em trabalhar na ONU, porque pensanva que esse sim era um trabalho no qual eu poderia ajudar as pessoas. Na verdade, eu sonhava em mudar o mundo de uma forma por demais utópica. 

Como eu estou numa fase de revisão de conceitos e comportamentos, fiquei relembrando ontem a noite esses sonhos que eu sonhava antes que a necessária praticidade da vida me levasse a me tornar uma advogada tributarista que trabalha apenas com questões técnicas sentada numa mesa, atrás de um monitor, o dia todo. Imaginei se era possível que, daqui do conformo da minha sala, eu pudesse fazer algo que fosse capaz de mudar o mundo. Conclui que não, que eu não posso mudar o mundo todo.

Mas percebi que posso mudar o mundo de alguém. Foi então que eu lembrei da Visão Mundial uma organização inspirada nos princípios critsãos lá da Reforma, que privilegia o ensino e a educação como forma de mudar o mundo criando oportunidades para que as pessoas possam, por si mesmas, encontrar caminhos. Eles fazem isso por meio do apadrinhamento de criaças que participam de seus projetos, com as quais nós, os padrinhos, podemos ter contato por meio de cartas e até mesmo fazer visitas para acompanhar seu desenvolvimento.

Foi o que eu fiz hoje pela manhã, acabei de apadrinhar um anjinho de nome Rayanne, que vive em Alagoas e tem 5 anos. Agora, já começo a sonhar com essa menininha, a pensar em mandar livrinhos para ela, e roupinhas... e esperar uma cartinha escrita por suas mãozinhas quando ela aprender a escrever.

Hoje eu acordei querendo mudar o mundo de alguém, e ao tentar fazer isso, foi meu mundo que mudou, mudou para melhor!!!

Beijos;
Fefa Rodrigues

PS: Para saber mais, clique aqui.

PS2: Apesar dessa "inspiração cristã" não há nenhuma vinculação religiosa nos projetos.


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Sobre o medo de tentar

Vira e mexe eu cito a frase que li há algum tempo em um texto do Contardo Caligaris, e que diz "não basta sonhar, é preciso ter coragem". É engraçado como a gente tem medo de tentar, não é? Eu sempre quis escrever, mas tinha medo de expor o que eu escrevia, medo do que as pessoas pensariam, medo do julgamento. Eu sempre quis fotografar, mas sempre ficava sem jeito, com vergonha das pessoas me verem parada na cidade fotografando e apontarem, acharem engraçado ou ridículo.

Mas escrever e fotografar me faz tão bem. Então, eu me dei conta de que o que importa é o que sinto fazendo esssas coisas. Eu vou continuar sendo advogada, trabalhando com tributos, não tenho qualquer pretensão de ser escritora ou fotógrafa, então não importa o que alguém vai pensar ao ler minhas histórias ou ao ver minhas fotos, pois não é disso que eu vivo. O que importa é que, enfim, eu consegui trazer um veio artístico para minha existência que era algo com que eu sempre sonhava... aglo de que eu necessitava.

E o medo? Bem, o medo ainda não foi embora totalmente. Mas estou enfrentando ele, expondo minhas fotos aqui e meus textos aqui, a princípio fingindo ser outra pessoa com medo do que as pessoas falariam. Queria apenas críticas sinceras, e tinha medo de que os amigos, ao lerem, ficassem com "pena" de mim e elogiassem só para não me chatear e que os não amigos zombassem de mim (perdão pela mentira, queridos!!).

Mas chega de medo. Sim, essas são minhs fotos. Sim, os textos são meus. Sejam eles bons ou ruins, é o que eu gosto de fazer nas horas vagas, para tentar "tornar minha vida em poesia".

Obrigada pela força que todos me dão aqui, desde que comecei esse blog evolui muito nessa questão.

Beijos,
Fefa Rodrigues

O Trepidante Caminhar da Humanidade

Como prometi a mim mesma - e contei na postagem anterior - decidi separar meu tempo diário para fazer as coisas que eu gosto, dentre elas, ler e, dentre as leituras, ler sobre a II Guerra. Então, na segunda-feira, comecei a ler esse livro que já tinha comprado faz um tempão e que ainda não tinha tido tempo de tirar o plástico.


Quando li o prefácio da obra fiquei um pouco desanimada ao descobrir que o autor é um engenheiro e não um historiador. Já imaginei um texto moldado pelo pensamento lógico dos adeptos das ciências exatas. Mas estava enganada. Ainda não terminei a leitura das 680 páginas, mas li toda a parte sobre a Revolução Francesa (o autor se propõe a traçar a história desde a Revolução até a Guerra), e estou apaixonada pela leitura, leve, direta e completa.

Para quem gosta do assunto, considero o livro essencial para a compreensão dos fatos de forma ampla. E vale a pena a leitura pela forma com que o autor escreve.

Super indicio e super feliz com a retomada do tempo dedicado às minhas paixões... inclusive as aulas de francês que recomeçam na próxima semana!!!

Beijos;
Fefa Rodrigues

 

domingo, 20 de janeiro de 2013

Sobre o tempo

Ontem decidi que passaria a tarde toda na piscina, em companhia da água fresca, do céu azul, e da minha atual leitura. Só então me dei conta de que, nos últimos dois meses, o trabalho e os compromissos da pós me fizeram deixar de lado tudo o que eu mais gosto. 

Eu não tive tempo para ler, não tive tempo para escrever aqui no blog, e sequer troquei da foto da leitura atual ali no canto. Eu tive que suspender minhas aulas de francês, troquei de leitura porque sabia que não desfrutaria da forma devida de O Inverno do Mundo no contexto em que eu estava vivendo, adiei minhas férias, não sai pela cidade para fotografar, não sentei no banco da barraquinha de sucos em companhia do Davi e agora fui surpreendida com a proximidade do fim do horário de verão sem nem ter aproveitado meu verão. 

Eu não preparei nada para a caçada ao Papai Noel, tradicional no Natal do meu pequeno sobrinho, eu não fiz minhas tortas de limão que só são saboreadas no Natal e Ano Novo. Não terminei as histórias que comecei. Não escrevi poesias. Faz dois meses que não faço as unhas, que não sento no jardim de casa para ler Adélia Prado ou Cora Coralina. Enfim, faz dois meses que não desfruto daquelas coisas que fazem a vida valer a pena, para mim.

Trabalhar é importante, ainda mais quando seu trabalho interfere na vida de tantas e tantas pessoas. Estudar é essencial, para desenvolver o trabalho com eficiência. Mas e viver? E aproveitar os dias quentes e longos de verão que eu espero ansiosamente o ano todo? E ler? E sentir o prazer dessas coisas?

Infelizmente não me resta muito desse verão para aproveitar, e certamente eu vou continuar desenvolvendo meu trabalho com a seriedade que ele merece e meus estudos com a excelência devida, mas decidi que, a essa altura da vida (já tenho 34 anos), não me darei ao luxo de deixar de viver as coisas que realmente amo.

Então, a partir de hoje, vou separar diariamente a porção devida de tempo necessário para se viver... e escrever é uma dessas coisas que pretendo fazer com mais intensidade!!

beijos,
Fefa Rodrigues

PS: ah, e tem mais uma coisa... vou casar dia 27 de setembro!!!;o)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

S.O.S. Rio de Janeiro

Olá amigos, tudo bem? Olha só, em abril eu irei tirar férias e irei pretendo passar 6 dias no Rio de Janeiro e separei os pontos que desejo conhecer. Então, queria dicas dos amigos que já foram ao Rio ou que moram lá sobre a melhor forma de conehcer estes pontos turísticos e dicas sobre outros lugares que eu não selecionei!!

Esses são os locais que eu pretendo conhecer:

1. Cristo Redentor:
2. Pão de Açúcar:
3. Maracanã:
4. Arpoador:
5. Jardim Botânico:
6. Arcos da lapa:
7. Confeitaria Colombo:
8. 1º Igreja presbiteriana:

9. Igreja de Nossa Senhora do Carmo: uma das mais belas igrejas do Rio de Janeiro

10. Santa Tereza

Eu adoro igrejas, se vocês tiverem alguma sugestão eu aceito, também curto museus e prédios históricos... então, conto com a colaboração!!;o)

Abraços,
Fefa Rodrigues

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Um Violinista no Telhado

Há muito tempo, bastante mesmo, durante um culto, o pastor utilizou um trecho desse filme como ilustração para sua pregação. Como vocês sabem, eu tenho uma boa memória, então, não esqueci daquele comentário, mesmo tendo, na época, por volta de 13 anos, mas acabei nunca vendo o filme. 
 
Ontem, domingo chuvoso e sem namorado que estava de molho curtindo uma gripe forte, decidi escolher um clássico no Netflix para assistir, e essa foi a escolha. Um musical de 3 horas de duração que agora se tornou um dos meus filmes preferidos.


O musical conta a história de Tevye, um leiteiro pobre que vive em um vilarejo de judeus na Ucrânia e que tem cinco filhas mulheres. Como um bom judeu, Tevye dá uma enorme importância às tradições como uma forma de manter a vida de todas nos trilhos e uma das tradições mais fortes entre os judeus é a escolha do noivo pelo pai, por meio da intervenção de uma casamenteira.Mas, o mundo está mudando, e as filhas de Tevye querem escolher seus maridos. 
 
Outro ponto forte do livro é a situação de convivência pacífica entre judeus e cristãos, que acaba por ordem do czar que determina a saída de todos os judeus da região,d ando início a sua imigração para os Estados Unidos.

O filme é lindo. Gostei muito de ver sobre os costumes judeus, e foi especialmente bonita a comemoração do Sabá. As histórias de cada uma das filhas de Tevye também são lindas, a primeira se casa com um judeu amigo de infância, a segunda com um judeu comunista e a terceira se casa com um cristão. A relação de Tevye com sua esposa Golde é divertida, e outra cena que eu amei (e que foi a comentada pelo pastor há tantos anos) foi quando ele pergunta para a esposa se ela o amava, já que eles tinham sido escolhidos pelos pais um do outro.


Apesar de algumas cenas tristes, o filme é bem divertido. Em resumo, apaixonante!! Sem dúvidas, um dos melhores filmes que já vi... poesia em forma de sétima arte!!! Gostaria de ter tido a oportunidade de ver o musical em São Paulo... se um dia ele se repetir, certamente irei ver!!!

Fica ai uma dica!

Beijos,
Fefa Rodrigues

PS: anciosa pela estréia de Os Miseráveis!!!


sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Ensinamento

Poesia sempre faz bem pra alma, não é??


Ensinamento

Minha mãe achava estudo 
A coisa mais fina do mundo. 
Não é. 
A coisa mais fina do mundo é o sentimento. 
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão, 
Ela falou comigo: "Coitado, até essa hora no serviço pesado". 
Arrumou pão e café, 
deixou tacho no fogo com água quente. 
Não me falou em amor. 
Essa palavra de luxo. 

                                                            - Adélia Prado -

Beijos;
Fefa Rodrigues