segunda-feira, 26 de março de 2012

O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald


Eu não me lembro se foi em Downton Abbey ou se foi em Queda de Gigantes, mas sei que certa vez vi uma cena em que os personagens estavam jantando e um deles disse que sendo eles pessoas da nobreza, não se esperava deles que fizessem qualquer coisa, ou seja, as demais pessoas não poderiam nem queriam vê-los trabalhando. Isso acontecer seria mudar a ordem natural das coisas o que traria "instabilidade social".

Me lembrei disso enquanto lia as primeiras páginas de O Grande Gatsby. Enquanto Nick, o personagem que narra a história, participava de um jantar na casa de Dayse, junto com seu esposo Tom e sua amiga Jordam, os quatro, jovens, bonitos e ricos, com suas vidas sem motivação, sem razão e sem objetivos a serem alcançados, mal conseguiam manter uma conversa. A não ser por Nick, os demais eram vazios.    


Um pouco sobre a história: Nick, que, como eu disse ali em cima, é o narrador da história, ao chegar à Nova York, passa a viver em uma pequena casa em uma vizinhança de ricas mansões. Ao lado da sua casa, uma mansão se destaca, enorme e bela, de frente para o mar, a casa de Gatsbay, um jovem milionário e misterioso, que dá maravilhosas festas todas as noites, regada sempre à tudo do bom e do melhor que o dinheiro pode comprar e freqüentada pelos ricos e pelas celebridades do cinema. As pessoas desconhecem a origem de sua fortuna, e por isso pairam inúmeras histórias sussurradas entre seus convidados sobre o passado do anfitrião.

Exatamente do outro lado do estreito, vive Dayse, prima de Nick, e Tom, seu esposo. Dayse é linda, rica e fútil. Tom é um ex-esportista de uma família milionária, bonito, forte, mas que tem a cabeça apenas em seus cavalos e vive lendo livros com teorias sobre superioridade racial branca. Dayse não é feliz. Apesar de ter tudo, sofre com a infidelidade de seu marido e vive uma vida vazia.  

Apresentados a estas duas situações, observamos a história seguir de um jeito estranho. Em alguns momentos eu tinha a impressão de que estava observando a cena através de névoa, como se minha mente estivesse entorpecida ou, como se eu conseguisse captar apenas algumas das coisas em um acontecimento completo. Enquanto lia as conversas dos personagens nas badaladas festas de Gatsby, conversas que pareciam não ter sentido, era como se eu tivesse a mente alterada pelo álcool. 

Acho que o Leo vai combinar com o personagem
No decorrer da narração parece que a vida de Dayse e Tom e a vida de Gatsbay não tem qualquer relação. Parece que a história não está indo para lugar algum, até que, nos momentos finais, a gente entende que se trata, na verdade, de uma história de amor. Do amor de Gatsby por Dayse, de tudo que ele fez para se tornar rico o suficiente para merecê-la, para tornar seu sonho de felicidade real, e de como este amor acabou com sua vida. Uma leve tristeza no final.... aquela sensação de vida desperdiçada.
 
Até chegar ao momento no qual eu comecei a entender a relação de Gatsby e Dayse eu não estava gostando muito do livro, parecia uma história mal contada, com lacunas, como alguém relembrando um passado remoto. Então percebi que era isso. Nick estava relembrando algo que havia acontecido há muito tempo. Depois, nas últimas vinte páginas, quando as coisas ficam “claras”, eu passei a gostar, não só da história em si, mas do que ela passa, do que representa. Fico pensando em como será o filme, se ele vai conseguir transmitir a força do livro ou vai parecer um romance água com açúcar.


A história é meio curta. Não é emocionante como Crônicas do Gelo e Fogo ou os livros do Cornwell. Penso que se a mesma história fosse escrita pelo Gabo, teria mais paixão, seria mais quente. A história é um pouco gelada, mas tem o poder de fazer pensar. Pensar sobre a vida cheia de dinheiro e vazia de sentido.

A verdade é que este livro é um daqueles que merecem ser analisados por quem entende de literatura, certamente, deve ter sido tema de muita tese de mestrado por ai!!! Então aqui fica apenas a visão de alguém que ama ler, mas que não tem o conhecimento técnico necessário para analisar o livro!!

De qualquer forma, recomendo, ainda mais com o filme por chegar!!!

Beijos
Fefa Rodrigues 

PS: Estou lendo O Discurso Secreto, e estou amando!!!!  Em três dias já li quase metade do livro, muito bom!!!


sexta-feira, 23 de março de 2012

Mais aquisições...

Sempre que eu estou sem muito o que fazer, gosto de pesquisar preços de livros pela internet, e foi assim que encontrei O Condenado do Cornwell, por R$ 19,90 e As Esganadas do Jô por R$ 26,90. Cornwell dispensa comentários, é um escritor fenomenal, e pretendo ter todos os livros dele... o que é meio dificil porque o cara não para de escrever (graças a Deus!!), mas minha coleção dos livros dele está aumentando!!!

Quanto os livros do Jô, já comentei sobre O Homem que Matou Getúlio Vargas, Assassinato na Academia de Letras e O Xangô de Baker Street, todos muito divertidos e certeza de muitas e boas risadas.




Gente, eu não só amo ler, eu também adoro comprar livros, é algo que me deixa feliz e me tira o stres. Fico muito feliz com o crescimento de minha biblioteca que começou bem pequena e agora já está aumentando.



Está assim, e olha que tem quatro de meus bebes emprestados!!

Até amanhã eu termino O Grande Gatsby, faltam 30 páginas apenas, achei que ia terminar ontem, mas o sono me dominou, amanhã comento!!! Ou melhor... segunda-feira!!!

Abraços e
Boa leitura.
Fefa Rodrigues

quinta-feira, 22 de março de 2012

Os 85 anos de Gabo

Dia 06 de março, Gabriel Garcia Marques, o Gabo, prêmio nobel de literatura em 1982 pelo livro Cem Anos de Solidão e meu escritor favorito, completou 85 anos de vida. 

Muitos são os dons dos homens, mas para mim, o dom de escrever é o mais intrigante. Me fascina a forma como os escritores criam mundos, histórias e personagens que, para o amante dos livros, são tão reais quanto seus amigos mais próximos. Assim é comigo. Sempre que vejo minha mãe, correndo de um lado para o outro para preparar os lanches que ela vende em sua cantina de colégio, penso em Ursula e seus pirulitos de caramelo, juntando dinheiro para contruir seu casarão em Macondo. 

Quando vejo pessoas que levam suas doutrinas tão a sério, a ponto de interferir em sua felicidade, me lembro de Fernanda, quando vejo amores que desvanecem rapidamente, me lembro do amor de Florentino Ariza por Fermina Daza, quando penso como a vida pode ser absurda, me lembro de Santiago Nassar, quando penso nas barreiras que podem e devem ser rompidas, me lembro de Sierva Maria, e sempre que sinto o perfume de flor de laranjeira, penso em Gabriel Garcia Marques.

Pra mim, Ursula, Fernanda, Maurícido da Babilonia, Rebeca, José Arcádio, Sierva Maria não são apenas frutos da imaginação de Gabo, são pessoas que eu conheço, com quem eu convivi por diversas vezes, e de quem me lembro de quando em quando.


Já postei aqui uma fala do Ricardo Gondim em seu texto Um caso de Amor publicado na edição de junho/2011 da revista Ultimato e vou repetí-la (a palavra ficou escrita errada desde cedo e ninguém me corrigiu!!!! que vergonha gente!!), pois concordo totalmente:

“Mundos fantásticos, como o de Gabriel Garcia Márquez são criados para que possamos sonhar para além da realidade nua e crua. Essa capacidade de sonhar, tão comum entre os profetas, nos leva à inconformidade com o mundo do jeito que é. (...) Quem viu outra realidade, mesmo em sonho, passa a desejá-la.”
 
Por isso, neste aniversário de Gabo, agradeço a ele por ter usado seu dom e ter criado algumas das melhores histórias que eu li. E, para quem ainda não leu nada da Gabo, a minha dica é: leia!!

Abraços, 
Fefa Rodrigues


terça-feira, 20 de março de 2012

E para minha tristeza...

... o verão se foi!!!

:o(

Bem vindo, outuno!!


Beijos,
Fefa Rodrigues

Há poucas páginas de terminar O Grande Gatsby!!

sexta-feira, 16 de março de 2012

Blogs interessantes...

... que encontrei por ai! Hoje, navegando, encontrei dois blogs (ou sites) muito legais. O primeiro deles é O Sol de Austerlitz, com textos sobre eventos históricos e livros, muitos deles do Bernardo Cornwell. Uma visão de alguém que tem um conhecimento mais profundo a respeito de história, simplesmente amei os textos!

Outro é O Diário de Ana Bolena, dedicado a Era Tudor e com um detalhe que achei perfeito, literalmente um diário como escrito pela Ana, falando de seus dias, dos acontecimentos a sua volta, e dos rumos que sua vida tomou. Muito bom, também!! 

Com certeza, vão adorar!! Visitem!!!

Beijos e bom fim de semana;
Fefa Rodrigues

quarta-feira, 14 de março de 2012

Novas Aquisições...

Ainda não li nada deste autor  Tom Rob Smith que conheci no blog Eu Leio, da Lu Russa e desde que li as resenhas delas sobre Criança 44 e O Discurso Secreto fiquei super com vontade de ler. Semana passada vi na Saraiva uma promoção, dois livros do mesmo autor por R$ 14,90 e estes dois livros estavam lá. Não pensei duas vezes, comprei!! Comprei também O Grande Gatsby, que estou lendo, por R$ 20,00. Preço bom, né?!

Criança 44

O Discurso Secreto

O Grande Gatsby
Meu único arrependimento é que o livro é daquele tipo que você lê um de um lado e para ler o outro você vira o livro de ponta cabeça. Foi a primeira vez que comprei livro deste tipo, então não sabia como seria. O que achei ruim é que a letra é pequena demais e as páginas são completamente cheias, de borda a borda. Acho que valia a pena gastar um pouco mais e comprar o livro da forma tradicional, mas, tá valendo, né!! 

Assim que ler tudo isso, comento, claro!!!

Beijos e boa leitura!!
Fefa Rodrigues




Parabéns Léo!!!

Sabe quando a gente ama tanto alguém que parece que até dói? Esse é o anjinho da minha vida e ontem foi aniversário dele, então, quero deixar minha homenagem a ele aqui!!!

Léo, amo você anjinho!!!
Feliz Aniversário!!

Esse é o Leozinho

Meus irmãos, Ju e Frany e o Leozinho

Minha irmã e mãe do Léo, a Tata, o Leozinho e eu... lá no fundo meu pai.

Léo e o papai dele, meu cunhado Alê.


Faltou só o Tio Davi... tava trabalhando!!

:o*

terça-feira, 13 de março de 2012

O Ladrão de Raios

Tenho duas dificuldades que não são muito comuns aos amantes de livros. Uma delas é com filosofia, simplesmente não consigo gravar a diferença entre sofistas, escolásticos, niilistas e estóicos – considerando que tudo isso tenha alguma relação com filosofia, o que, sequer eu consigo afirmar -, ou entre o pensamento de Platão e de Aristóteles, de Sócrates, Tomás de Aquino ou Nietzsche, isso se houver diferença entre eles.

Minha outra dificuldade é com mitologia, eu nunca sei quais são os deuses, quais são as criaturas mitológicas, quem é filho de quem, quem fez o que e quais são os heróis... e o pouco que eu sei sobre Hércules decorre da versão Disney!!!



Bem, essa introdução toda é para dizer que terminei o livro O Ladrão de Raios, e foi bem rápido, como eu já imaginava que seria. Um raro caso de filme visto antes da leitura do livro, e, como não podia deixar de ser, o livro é muito, mas muito melhor que o filme!! Lembro que quando eu vi o filme senti vontade de ler o livro imediatamente, só não li na época porque tinha outras prioridades livristicas para adquirir. 

A leitura é muito fácil, afinal é um livro infanto-juvenil e me lembrou bastante Harry Potter e a Pedra Filosofal. O que eu mais gostei foi do próprio Percy. Ele tem aquele humor inteligente, sempre com frases ótimas e boas tiradas, me fez lembrar aquele garoto que toda classe sempre tem, popular, engraçado, que faz piadinhas, e que as professoras podem considerar terrível, mas lá no fundo são seus preferidos!!

A verdade é que depois de tanto sangue, a gente estranha uma história em que as coisas se resolvem facilmente, em que o “bem” sempre leva vantagem de certa forma... no começo a facilidade com que Percy, apesar de quase nenhum treinamento, resolvia os obstáculos, estava me incomodando um pouco, mas então eu parei, pensei e me situei: “eu não estou em Westeros ou na Idade Média, não estou acompanhando Derfel ou Utrhed”, e então comecei a aproveitar a leitura que narra as aventuras desse garoto que, a primeira vista parece apenas um menino problemático, mas que, na verdade, é diferente pelo simples fato de ser um semi-deus e que, de uma hora para outra, vê sua vida mudar completamente ao descobrir sua ascendência divina e se ver em uma intriga que envolve seu poderoso pai Poseidon e Zeus, que, até onde eu consigo visualizar, é tio dele, certo?

Sua missão, nada simples para um garoto de 12 anos, é descer até o Mundo Inferior, reinado de Hades, e resgatar o raio-mestre, símbolo do poder de Zeus que lhe foi roubado. Zeus acredita que foi o garoto quem roubou o tal raio a mando de seu pai e deu o prazo até o solstício para que ele seja devolvido, do contrário, uma grande guerra terá início entre os deuses e essa guerra se estenderá a toda a humanidade mortal.

Uma grande responsabilidade para um garoto que ainda está descobrindo seus dons, e nesta viagem, contará coma ajuda de Annabeth, filha de Atena e de Grover, um sátiro simpático e amigo de todas as horas.

Achei bem bacana a forma como o autor situou uma história que usa elementos da Grécia antiga nos EUA, e como ele fez parecer tão natural que, se antigamente os deuses podiam se relacionar com os humanos a ponto de ter filhos com eles, filhos que eram heróis, hoje em dia isso também seria perfeitamente possível. 

Enfim, o livro é uma delícia, fácil de ler, leitura de descanso mesmo, para relaxar, como as coisas se resolvem meio que rápido demais, a história não é tão elaborada, é simples, direta, mas é muito boa e tem que ser assim tendo em vista o publico alvo. Vale a pena ler, gostei bastante e, como bem previu a Fê do Na Trilha, vou ler toda a coleção!!!

E, agora acho que vou aprender um pouco de Mitologia, porque assim fica bem mais fácil!!:o)

Escolho como próxima leitura O Grande Gatsby de Scott Fitzgerald, um livro que eu já queria ler há um tempão e que, agora com o filme, tive que comprar para ler antes da estréia no cinema!! Além disso, gosto muito dos anos 20, então acredito que vai ser uma boa leitura!!!

Beijos e boa leitura!!
Fefa Rodrigues

sexta-feira, 9 de março de 2012

O Pequeno Príncipe



Imagem: We heart it




Beijos...
Fefa Rodrigues

Poeminha Amoroso - Cora Coralina

 Poesia tem a capacidade de acalmar meu coração...


Poeminha Amoroso
- Cora Coralina - 

Este é um poema de amor
tão meigo, tão terno, tão teu...
É uma oferenda aos teus momentos
de luta e de brisa e de céu... 
E eu,
quero te servir a poesia
numa concha azul do mar
ou numa cesta de flores do campo.
Talvez tu possas entender o meu amor.
Mas se isso não acontecer,
não importa.
Já está declarado e estampado
nas linhas e entrelinhas
deste pequeno poema,
o verso;
o tão famoso e inesperado verso que
te deixará pasmo, surpreso, perplexo...
eu te amo, perdoa-me, eu te amo... 


Boa sexta-feira a todos!!
Beijos,
Fefa Rodrigues 
 


terça-feira, 6 de março de 2012

Segunda Guerra Mundial – Richard Overy

Um livro para quem ama história simplesmente surtar! Já comentei aqui que uma outra de minhas paixões é história e, especialmente, história da II Guerra e uma das coisas que mais me fascina são documentos antigos, moedas e medalhas. Meu sonho é ter uma medalha original da II Guerra, de preferência alemã.

E, sabedor de que eu amo história, meu amigo Glegle, que faz faculdade de história, me falou deste livro e ontem trouxe para eu dar uma olhada. De cara já achei muito legal o livro, capa duro, cheio de fotografias da época, mapas das batalhas e curiosidades, mas, o que eu mais gostei do Livro foram estas cópias de documentos da época.







São cartas, relatórios, capas de jornais, folhetos, documentos e o mais interessante de todos, o Testamento Político de Hitler.

Eu simplesmente amo ver esses documentos, ver as letras, as palavras. Já comentei aqui sobre uma carta de um soldado que estava numa trincheira na Itália durante a II Guerra, enviada para sua mãe, onde ele conta a surpresa que teve quando viu a neve pela primeira vez. A carta esteve exposta por muitos anos no museu aqui da cidade e eu sempre ia lá olhá-la.























Testamento Político de Hitler

Assinaturas no "Testamento Político"

Olha a marquinha do clips ali em cima!!!







Isso me faz pensar sobre nós hoje em dia. Como irão contar nossa história? As futuras gerações não terão documentos de nossa época, escritas com nossas letras... apenas, escritas pelo world...

Gente, deixo ai uma dica muito legal para quem ama II Guerra!!!

Abraços
Fefa Rodrigues